(55) 3538-1799

NO AR

AGROFEST

Com André Klein

Brasil

Produtores de leite ampliam as manifestações em Brasília e cobram medidas de apoio do governo federal

Publicada em 06/11/2023 às 09:31h

por Correio do Povo


Compartilhe
 

Link da Notícia:

 (Foto: Eduardo Oliveira/Fetag-RS/Divulgação/CP)

Depois de fechar fronteiras e participar de diversas reuniões políticas, os produtores de leite pretendem aumentar a pressão sobre o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a partir desta semana. O objetivo é conseguir apoio imediato ao setor por meio de renegociação de dívidas, de subsídios à produção e da rastreabilidade dos lácteos importados. 

Liderados pela Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais, Agricultoras e Agricultores Familiares (Contag), federações de trabalhadores rurais de diversos estados brasileiros se mobilizam e articulam ações em Brasília. “Optamos por levar uma comissão de dez pessoas de cada estado da Região Sul - Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul - e uma representação de outros estados produtores”, adianta o presidente da Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetag-RS), Carlos Joel da Silva, que deve participar do mutirão político em visitas a órgãos do governo e bancadas estaduais nesta semana. De acordo com o presidente da Contag, Aristides Veras, a meta do grupo é conseguir uma agenda com o presidente Lula.

“As medidas anunciadas até agora pelo governo são importantes, mas são paliativas e estão longe de resolver o problema. A compra de leite em pó pela Conab (Companhia Nacional do Abastecimento), de R$ 100 milhões, permite a aquisilção de 1,8 mil toneladas de leite, mas, só em junho, entraram 20 mil toneladas no Brasil”, afirma o vice-presidente da Fetag-RS, Eugênio Zanetti. “Estamos pedindo que haja uma maneira de regular a entrada de leite no nosso país e, neste momento, não tem outra alternativa a não ser o subsídio”, pontua.

A Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA) estima que, se mantido o ritmo atual de importações, o ano de 2023 deve fechar com as compras brasileiras de leite e lácteos na casa dos 2,2 bilhões de litros. Segundo a CNA, de janeiro a setembro, o país importou cerca de 1,6 bilhão de litros, ou seja, 90% a mais que no mesmo período de 2022. “O Rio Grande do Sul produz 11 milhões de litros/dia e essa projeção de 2,2 bilhões de litros daria 220 dias da produção gaúcha”, compara Zanetti. Conforme o dirigente, o Brasil produz em torno de 3% a menos daquilo que consome e ainda é dependente de importações. “Mas o país deveria incentivar a produção local ou comprar os 3% que faltam”.

Dados do primeiro semestre deste ano, de acordo com a confederação, mostram que o produto importado representou 10% do volume de leite consumido no Brasil, frente a uma média histórica de até 4% do total captado no país.




ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário


Insira os caracteres no campo abaixo:








.

TELEFONE/WHATSAPP

55 3538 1799

Copyright (c) 2024 - FM SUCESSO - Sucesso FM 88.3 - Boa Vista do Buricá - Crissiumal
Converse conosco pelo Whatsapp!